quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Terceiro Retiro Anual das Equipes de Nossa Senhora dos Setores Jundiaí A e B

Foi com muita alegria que participamos, nos dias 24, 25 e 26 de Outubro, do terceiro Retiro anual das ENS deste ano de 2014.

O retiro foi pregado com muito entusiasmo pelo padre Geraldo Bicudo, pároco da paróquia São Sebastião em Itupeva e conselheiro espiritual da equipe 4B.

Apesar do retiro ter sido aberto (onde os casais dormem em suas casas), devido ao problema de agendamento com a casa de retiros, o mesmo aconteceu de maneira tranquila e profunda. Refletimos sobre o documento do Papa Francisco “Evangelli Gaudium” - A Alegria do Evangelho. 

Padre Geraldo abordou desde as implicações e exigências do Querigma (revelação de Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem que morreu por nossos pecados e ressuscitou para a salvação de todos) até os problemas que hoje a Igreja e todos os cristãos estão enfrentando no anuncio do Evangelho, principalmente o individualismo que o mundo moderno nos impõe.

Apesar das modificações que o retiro sofreu para se adaptar ao novo local, ficamos muito felizes com o que aprendemos e vivemos nestes dias.


Obrigado padre Geraldo por compartilhar conosco uma pequena parte de sua grande sabedoria. Que momentos assim sejam mais frequentes em nosso movimento, onde o Querigma possa ser apresentado cada vez mais aos casais tão sedentos do Cristo Vivo.

Márcia e Marcelo
Equipe 17A - Jundiai/SP

As fotos destes dias estão aqui.



segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Halloween: não brinquemos com fogo!

Eis os riscos que se escondem por trás de uma festa que está se tornando cada vez mais popular entre os jovens

A ingenuidade é muitas vezes a causa de muitos males do nosso tempo. Muitas pessoas, de boa fé, são influenciadas por modismos e encontram-se brincando com fogo. Não percebem os riscos que poderiam se esconder atrás de situações aparentemente inócuas.

Um exemplo óbvio desta ingenuidade é a participação de muitos pais, crianças e jovens na festa de Halloween.

Há alguns anos atrás, este evento só poderia ser conhecido através de alguns filmes ou quadrinhos norte-americanos. Mas hoje o mundo mudou. O advento da Internet e a proliferação dos meios de comunicação contribuem facilmente para a disseminação de modas.

E assim, o Dia das Bruxas atravessou as fronteiras e se espalhou em muitos outros países. Para dar-se conta do fenômeno basta olhar para as vitrines de restaurantes e lojas de brinquedos. Foram invadidas por objetos, figurinos e bonecos relacionados a este evento.

O símbolo do Halloween é uma abóbora esculpida com os olhos, nariz e boca, iluminada por uma vela colocada dentro. Na noite entre o 31 de outubro e 1 de novembro, as crianças americanas têm o costume de vestir-se como fantasmas, vampiros ou monstrinhos. Batem nas portas das casas com um saquinho na mão, pedindo doces e balas.

Alguém pode dizer: "O que há de errado? Por que não podemos fazer o mesmo? Afinal de contas, o Halloween é uma espécie de carnaval! Uma maneira de se divertir e brincar um pouco'!”. E é essa ingenuidade, a falta de profundidade, que leva muitos pais a não entenderem os possíveis riscos que se escondem por trás de certas modas.

Tentemos refletir sobre a realidade dos fatos. Vamos perceber, também, que Halloween não é apenas uma espécie de carnaval, mas algo mais. É uma moda que, muitas vezes, tem raíz na superficialidade com que se vive a fé cristã em certas famílias.

Muitos pais batizam seus filhos, os levam ao Catecismo e os fazem fazer a sua primeira comunhão. Mas depois se esquecem de leva-los à Missa, porque dizem que têm muitos compromissos no domingo. Depois das suntuosas festas de primeira comunhão as igrejas se esvaziam.

O batismo e a Primeira Comunhão parecem ter se tornado rituais com base na aparência, onde as pessoas se vestem bem e fazem grandes refeições no restaurante com parentes e amigos. Mas poucos pais, depois, se comprometem seriamente em acompanhar os filhos em um caminho de fé.

A participação ingênua no Halloween é um dos frutos dessa falta de compromisso. Em vez de vestir as crianças de monstros, os pais deveriam ensiná-las a orar. Deveriam contar-lhes as fascinantes histórias da vida dos Santos, tendo em vista o primeiro de novembro.

Em quantas famílias se reza hoje? Em um tempo as crianças recitavam uma oraçãozinha antes de ir dormir. Quantas o fazem ainda hoje? Talvez os pais estejam ocupados demais em disfarçar seus filhos de vampiros e não têm tempo para educá-los ao conhecimento das nossas tradições autênticas.

Em torno do Halloween se desencadeou também um fenômeno comercial que toca os jovens e os adolescentes: a dos "rave" e das festa na discoteca cheias de mau gosto. Representam uma verdadeira e real exaltação do macabro, em que as pessoas vestem trajes horríveis e irreverentes, muitas vezes ofensivos para a religião. Em certas festas com temas esotéricos, além de dança, há o risco de se deparar com "mágos" e ocultistas que se aproveitam da ocasião para introduzir os jovens nas práticas mágicas e supersticiosas.

Halloween se transformou em uma ocasião a mais para chegar tarde e frequentar ambientes questionáveis. A moda acaba por distrair a atenção dos jovens em um período do ano que, por tradição, sempre foi reservado à memória de todos os santos e à comemoração dos mortos. A memória dos santos e dos mortos foi substituída pela vulgaridade de certos costumes. Os momentos de meditação e oração foram trocados pelos volume ensurdecedor da discoteca.

É por isso que o Dia das Bruxas não pode ser considerado simplesmente um segundo Carnaval. Por trás das abóboras, fantasias e festas, aparentemente inofensivas, poderia esconder-se algumas armadilhas.

É preciso estimular um maior senso crítico nos jovens, ajudando-os a não beber passivamente as mensagens enganosas que estão associados a esta festa. Começa como uma brincadeira, aceitando o convite de um "mago" na discoteca para ler o futuro nas cartas, e depois corre-se o risco de se tornarem escravos do ocultismo.

Não esqueçamos as nossas tradições! Não precisa ter medo de lembrar aos rapazes o significado da época do ano em que nos encontramos. Será uma oportunidade preciosa para redescobrir a riqueza espiritual das nossas raízes cristãs.

Os jovens precisam de uma cultura nova, alternativa e contra-corrente, que substitua o som de certos fenômenos de massa com a intimidade e os silêncios de uma fé viva, vivida na beleza da sua jornada diária.

Fonte: Zenit





terça-feira, 21 de outubro de 2014

ENS de Jundiaí compõe hino para Encontro Nacional

“Sempre é festa da alegria se conosco Ele estiver. É Maria quem nos diz: ‘Fazei tudo o que Ele vos disser”, diz o refrão do hino oficial do III Encontro Nacional das Equipes de Nossa Senhora, que acontecerá entre os dias 30 de junho e 3 de julho de 2015, em Aparecida (SP). A canção é de autoria da Equipe 17 do Setor A de Jundiaí.


De acordo com o casal Edison e Marta Benatti, o convite para participar do concurso para a escolha do hino partiu do casal coordenador do III Encontro Nacional – Renato e Vera Luciani, da cidade de Itu, e o desafio para compor a canção foi aceito por toda a Equipe 17 do Setor A de Jundiaí. Sob a inspiração do Espírito Santo, a canção surgiu a partir do tema `Aceitar o convite de viver o Evangelho a dois` e do Evangelho de João, capítulo 2, versículos de 1 a 12, que narra as bodas de Caná, refletidos numa das reuniões da Equipe.

Confira, a letra (com cifras) do Hino Oficial do III Encontro Nacional das Equipes de Nossa Senhora composto pela Equipe de Jundiaí, clicando aqui.

Ouça a canção:

video



III Encontro Nacional das Equipes de Nossa Senhora
Data: 30 de junho a 3 de julho de 2015.
Local: Aparecida (SP)
Tema: “Matrimônio Cristão – festa da alegria e do amor conjugal”, e lema “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5).
Mais informações no site do encontro:


Fonte: Site da Diocese de Jundiaí

domingo, 19 de outubro de 2014

Sínodo: Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização

O Sínodo dos Bispos sobre os desafios pastorais da família (link) teve início na manhã de domingo, dia 5 de Outubro com a Eucaristia presidida pelo Papa Francisco na Basílica Vaticana as 10 horas de Roma. Mas já no sábado no final da tarde,às 18 horas na Praça de S. Pedro aconteceu uma Vigília de Oração e Reflexão que abriu caminho a este percurso sinodal. Uma iniciativa da Conferência Episcopal Italiana na qual participarão os Padres Sinodais.

Abaixo algumas informações esclarecedoras sobre o desenvolvimento dos trabalhos sinodais, oferecidas durante um briefing na Sala de Imprensa da Santa Sé, realizado na última sexta feira, dia 3 de Outubro. Liberdade de expressão e respeito por cada posição deverão caracterizar os trabalhos do Sínodo dos Bispos – esta a principal afirmação do Cardeal Lorenzo Baldisseri, Secretário Geral do Sínodo que liderou os esclarecimentos aos jornalistas.

Uma novidade deve ser destacada: na abertura dos trabalhos em cada dia haverá o testemunho de um casal. Este testemunho terá a duração de cerca 4 minutos. Entre eles, também a experiência de um matrimónio misto entre um muçulmano e uma católica. Na primeira semana, o debate na Sala seguirá a ordem temática do “Documento de trabalho” preparatório. Por exemplo, a 8 e a 9 de outubro, o debate vai concentrar-se nas situações pastorais difíceis e nos desafios que dizem respeito à abertura das famílias à vida.

Uma grande celebração final e particularmente significativa será a missa conclusiva, no domingo, 19 de outubro, às 9h30min, na Praça S. Pedro, que coincidirá com a beatificação de Paulo VI, o Pontífice que em 1965 instituiu a Assembleia Sinodal. O Papa Francisco proporá em cada dia a oração inicial, com outras intervençoes no início e no final dos trabalhos.

Nova também a “máquina de informação” deste Sínodo, que terá um briefing diário sobre o andamento dos trabalhos, na Sala de Imprensa da Santa Sé, em diversas línguas, com a publicação da lista dos Padres Sinodais que se pronunciaram em cada dia e o início de um serviço Twitter com a hashtag #Synod14. Será também publicado um boletim diário com a síntese das comunicações na Sala do Sínodo.

Dois documentos, em particular, são aguardados com expectativa: a publicação da mensagem conclusiva, no sábado 18 de outubro, e o novo “Relatório do Sínodo” que substitui as clássicas “Proposições finais”. Este relatório será apresentado diretamente ao Papa e será tornado público posteriormente. É a primeira vez que um Sínodo se realiza em duas etapas. De facto, em 2014, será realizada somente a primeira parte de um percurso que se concluirá em 2015, com um Sínodo Geral. (JE/RS)

Para textos completos e resumos dos trabalhos do Sínodo, consulte também o Boletim diário da Sala de Imprensa da Santa Sé (aqui).

Fonte: News.va

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Hermelinda e Arturo falam no Sínodo: “As relações sexuais são orientadas à transmissão da vida, mas também ao serviço do amor conjugal”

Casal brasileiro Hermelinda e Arturo fala na 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, convocada pelo papa Francisco, que reflete sobre "os desafios pastorais da família no contexto da evangelização", de 5 a 19 de outubro em Roma.

“O ato sexual é legítimo, querido e abençoado por Deus e o prazer derivado dele contribui para a alegria de viver e para a estrutura da personalidade sadia. Esta expressão do amor, que no princípio pode ser paixão, deve ser cada vez mais humanizada”, afirmaram os cônjuges brasileiros Hermelinda e Arturo Zamperlini, unidos em matrimônio há 41 anos, pais de três filhos e pertencentes ao movimento das Equipes de Nossa Senhora. Atualmente, eles são responsáveis no Brasil pelo movimento que também está presente em outras 70 nações, com 137.200 membros.

O discurso aconteceu no último dia 9, na 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos. Veja mais sobre a fala deles: “Os casais que fazem amor expressam com o corpo o que existe nos seus corações. Para se chegar à harmonia, é necessário saber cultivar o desejo e até mesmo um erotismo sadio. O casal não é frutífero só porque gera os filhos, mas porque se ama e, amando, se abre à vida”, disseram os cônjuges, reconhecendo também que “razões justificadas podem levar os esposos a espaçar o nascimento dos filhos, procurando uma maternidade e paternidade responsável”. Por isso, “a continência periódica e a regulação da natalidade baseada na auto-observação se ajustam aos critérios objetivos da moralidade”.

“Dada a gravidade do ambiente em que nos encontramos, temos que admitir sem medo que muitos casais católicos, mesmo os que procuram seriamente viver seu matrimônio, não se sentem obrigados a usar apenas os métodos naturais". E acrescentaram: "No geral, isso não é questionado pelos confessores”.

O casal brasileiro assegurou, baseado na experiência, que os métodos naturais são bons, “mas, na cultura atual, parecem carentes de sentido prático. Os casais, especialmente os jovens, vivem um ritmo de vida que não lhes permite praticar esses métodos, já que eles exigem tempo para a formação e o tempo é um bem escasso no mundo em que vivemos”. O método natural, além disso, é explicado superficialmente e “mal utilizado, ganhando a reputação injusta de ser inseguro e ineficiente”. O método natural “não é seguido pela maioria dos casais católicos”, que, em geral, aceitam o uso de outros anticonceptivos e não veem nisso nenhum problema moral.

“As relações sexuais são orientadas à transmissão da vida, mas também ao serviço do amor conjugal”. Eles citaram, a este respeito, os estudos sobre "A evangelização da sexualidade”, que indicam a disparidade entre a doutrina moral e a prática do casal.

Hermelinda e Arturo concluíram pedindo que os bispos facilitem aos fiéis as grandes diretrizes da pedagogia pastoral para ajudá-los a observar os princípios indicados pela Humanae Vitae, através de um guia seguro e simples que responda às exigências do mundo de hoje.

Elis e André
Eq. 20A - Jundiaí/SP

domingo, 5 de outubro de 2014

Papa convoca o casal Hermelinda e Arturo e cardeais do Brasil para pré-Sínodo

Quatro cardeais, um bispo de rito maronita de São Paulo e um casal de São José dos Campos são os brasileiros que vão participar da 3.ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, convocada pelo papa Francisco, que reunirá 253 representantes para refletir sobre "os desafios pastorais da família no contexto da evangelização", de hoje até o dia 19, no Vaticano.

Entre os temas propostos no Instrumento de Trabalho, preparado com base em um questionário enviado pelo Vaticano a todas as dioceses, destacam-se os casais divorciados em segundo casamento e a união homoafetiva.

Os cardeais brasileiros são d. Raymundo Damasceno Assis, d. Odilo Pedro Scherer, d. João Orani Tempesta e d. João Braz Aviz, da Cúria Romana. Além deles, o papa convocou o eparca da Eparquia Maronita de Nossa Senhora do Líbano, d. Edgard Amine Madi, e o casal responsável pelas equipes de Nossa Senhora no Brasil, o engenheiro químico Arturo e sua mulher, a dentista Hermelinda Zamberline.

Nenhuma decisão será tomada, segundo d. Damasceno, mas serão abertas discussões para o encontro de 2015. A partir das propostas dos bispos, Francisco dará suas orientações em uma exortação apostólica pós-sinodal. O papa presidirá as sessões da assembleia, sendo substituído em sua ausência pelos três presidentes delegados.

Arturo, Hermelinda e D. Damasceno
Arturo, de 65 anos, e Hermelinda, de 62, estarão entre 14 casais que participarão do Sínodo como auditores. Eles também terão exatos quatro minutos para dar sua opinião. "Vamos falar sobre a vida, dentro dos princípios da doutrina da Igreja", disse Arturo. Eventualmente, poderão opinar sobre outros itens.

Os participantes da assembleia se debruçarão sobre os itens do questionário respondido pelas Conferências Episcopais que compõem o Instrumento de Trabalho - ou Instrumentum Laboris, redigido em latim. Divido em quatro partes, o texto apresenta em 159 artigos um elenco dos problemas e desafios que a Igreja enfrenta na evangelização da família. Os bispos de cada continente descrevem a realidade de suas regiões e enumeram sugestões para a pastoral. Abusos sexuais, separação de casais, acesso de descasados aos sacramentos e a situação dos homossexuais na comunidade católica são alguns dos itens abordados nos questionários. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ENS Jundiai realizam seu 2º Retiro Anual de 2014

Nos dias 26, 27 e 28 de Setembro, 32 casais dos setores A e B, se reuniram na Centro de Convivência Mãe do Bom Conselho (Irmãs Agostinianas), em Jundiaí, para participar do Retiro Anual. Este é um dos 6 pontos concretos de esforço (PCE) que os equipistas são convidados a cumprir, anualmente, em casal. Foi conduzido por Dom Valter Carrijo, 80 anos, Bispo emérito de Brejo/MA que tem uma forte ligação com Jundiaí por ter trabalhado cerca de 25 anos na cidade (no inicio da sua vida sacerdotal) onde, inclusive, foi conselheiro espiritual de algumas equipes. Depois de muitos anos fora ele voltou e foi calorosamente saudado pelos equipistas daquela época, que puderam, ao vê-lo, recordar muitos bons momentos das Equipes de Nossa Senhora na cidade.

O retiro começou na sexta-feira as 19hrs, com a acolhida dos casais e jantar. Logo depois, os casais foram à capela para um breve momento de catequese sobre o Sacramento da Confissão e o Ato Penitencial, que preparou os casais para o momento das confissões. Pe. Julio (SCE Eq. 18A), Pe. Bruno (SCE Eq. 23A) e Pe. Jonatas (SCE Eq. 20A) vieram para ajudar D. Valter neste momento. Após as confissões, os casais foram orientados a irem para os quartos em silêncio.

No sábado, as catequeses de D. Valter, os desertos individuais e em casal, o momentos do dever de sentar-se e a adoração ao Santíssimo Sacramento foram os pontos altos. O silêncio foi motivado ao longo do dia, de forma que os casais estivesses realmente em clima de retiro, afinal, a agitação e a conversa paralela tornam muito mais difícil de "ouvir o que o Senhor quer nos dizer".

Na manhã de domingo tivemos mais catequeses cativantes e profundas de Dom Valter e mais um momento de deserto em casal, antes da Santa Missa que encerrou o retiro e enviou os casais de volta aos seus lares e à sua missão.

A avaliação deste retiro foi extremamente positiva. Nomeado como "o retiro do amor", estes dias contribuíram muito para a vida conjugal dos casais presentes. Foram momentos de graça e de encontro de almas com Cristo.

Demos glórias a Deus por este 2º Retiro Anual das Equipes de Nossa Senhora!

Érica e Wilson
Eq. 18A - Jundiai/SP


As fotos destes dias estão aqui.




quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Formação do novo Setor Jundiaí A (2015/2017)

Foi divulgado nesta quarta-feira, 01/10/14, a nova configuração do Setor Jundiaí A, para o triênio 2015/2017. O setor, que atualmente conta com 19 equipes e 1 pilotagem, terá 8 Casais de Ligação, além do Casal Expansão.

Confira a formação:

Clique para ampliar